Geral 16/03/2020 - 15:36 - Shara Rezende/ Governo do Tocantins

Seminário realizado pela Seciju promoveu reflexão sobre temas de cidadania e justiça

Apresentação cultural do Grupo de Percussão do Projeto Artefato Apresentação cultural do Grupo de Percussão do Projeto Artefato - Márcia Rosa/Governo do Tocantins
Juiz de Direito, Deomar Barroso, fala sobre a importância do trabalho do preso para reinserção social Juiz de Direito, Deomar Barroso, fala sobre a importância do trabalho do preso para reinserção social - Márcia Rosa/Governo do Tocantins
Secretário executivo da Seciju destaca a importância da participação da sociedade para garantia de direitos de crianças, adolescentes e pessoas privadas de liberdade Secretário executivo da Seciju destaca a importância da participação da sociedade para garantia de direitos de crianças, adolescentes e pessoas privadas de liberdade - Shara Rezende/ Governo do Tocantins

Seminário “Consciência e Atitude: Ações de Cidadania e Justiça” aconteceu na última sexta-feira, 13, e reuniu representantes do poder público, de entidades não-governamentais, professores e estudantes para refletir sobre a proteção e promoção dos direitos humanos das crianças, adolescentes e pessoas privadas de liberdade. O evento foi promovido pela Secretaria de Estado da Cidadania e Justiça (Seciju), com apoio da Escola Superior de Gestão do Sistema Penitenciário e Prisional e Escola Superior de Formação e Qualificação Prisional.

O Seminário foi dividido em dois momentos, sendo que a primeira parte foi destinada ao tema “Perigo Oculto: Não se Omita” que tratou sobre pedofília. E no período da noite, com o tema “Trabalho e renda na Execução Penal”, o assunto discutido foi o trabalho como ferramenta de reinserção social da pessoa privada de liberdade.

O Seminário “Consciência e Atitude: Ações de Cidadania e Justiça” foi aberto pelo secretário executivo da Seciju, Geraldo Divino Cabral, que ressaltou a necessidade da sociedade se envolver para garantir os direitos humanos no Tocantins. “Além dos esforços do poder público para executar a política de proteção às crianças, aos adolescente e as pessoas privadas de liberdade, é necessário o envolvimento da sociedade, das empresas e dos professores para garantir direitos fundamentais a essa parcela da população”, destacou.   

Perigo Oculto: Não se Omita

O evento contou com a participação do juiz de direito do Pará, Deomar Barroso, que proferiu duas palestras, sendo a primeira com o tema “Pedofilia: Inocência Roubada”, onde ele destaca o papel dos professores como agentes de proteção ao abuso sexual infantil. “A maioria dos casos de abuso sexual acontece intrafamiliar, diante disso apostamos nos professores como instrumentos importantes para revelação da vítima de pedofília, dando um basta a esse tipo de violência”, ressaltou.

Trabalho e renda na Execução Penal

A segunda palestra foi a apresentação do projeto “Conquistando a Liberdade” que utiliza o trabalho da pessoa privada de liberdade como forma de reintegração social. “Esse projeto é executado com presos do regime fechado, eles trabalham na manutenção de prédios públicos e privados, na roçagem de terrenos vazios, na jardinagem de praças, limpeza de logradouros públicos e etc, sendo essas atividades muito importantes para o preso se sentir útil para sociedade, como também para a população receber esse preso com alguém que faz parte daquela comunidade. Além do trabalho de manutenção, os presos também fazem rodas de conversa nas escolas, denominado “Papo de Rocha”, afim de testemunhar sobre suas vidas e promover a reflexão crítica dos estudantes sobre as consequências do envolvimento com drogas e o crime”, destacou.  

Mais programação

O seminário “Consciência e Atitude: Ações de Cidadania e Justiça” na parte da tarde contou ainda com apresentação do Grupo de Percussão e Dança de Salão do Projeto Artefato e de mesa redonda com a participação do juiz do Juizado Especial da Infância e Juventude, Frederico Paiva Bandeira de Souza; da delegada da Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente, Ana Carolina Braga, e da neuropsicológa, Rosânia Tosta.

Na parte da noite, o evento ainda teve a apresentação do Programa Justiça Presente no Tocantins, proferido pela coordenadora do programa, Mariana Leiras; e apresentação de como é executada a política de trabalho prisional no Estado, pelo gerente de Reintegração Social, Trabalho e Renda ao Preso e ao Egresso da Seciju, Leandro Sousa.

Compartilhe esta notícia