Geral 12/08/2019 - 14:15 - Erlene Miranda/Governo do Tocantins

Cadeia Pública de Miracema tem pintura revitalizada por reeducandos da unidade

Reeducandos da unidade fizeram curso de pintura imobiliária e realizaram aulas práticas no local. Reeducandos da unidade fizeram curso de pintura imobiliária e realizaram aulas práticas no local. - Divulgação/Seciju
Cinco reeducandos participaram de aulas teóricas e práticas ofertadas pelo curso Cinco reeducandos participaram de aulas teóricas e práticas ofertadas pelo curso - Divulgação/Seciju

A aquisição de conhecimento é essencial para o processo de ressocialização do apenado. Por isso, a Secretaria de Estado da Cidadania e Justiça (Seciju) fomenta a difusão de informação e conhecimento aos reeducandos, contribuindo na oferta de capacitações e atividades práticas. A Cadeia Pública de Miracema, por exemplo, teve a pintura revitalizada através de atividades práticas ofertadas pelo Curso de Pintura Imobiliária.

O curso foi iniciado em março deste ano, por meio do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) voltado ao público prisional. Segundo o diretor da unidade, Gutembergi Bento Gomes, a ideia que a aula prática fosse realizada na própria unidade surgiu após a disponibilização do curso. “O curso já previa as aulas práticas, então pensamos em unir as atividades e aproveitamos para revitalizar a pintura das instalações físicas da unidade. Com isso, eles colocariam em prática o que aprenderam em sala de aula e contribuiriam com a própria unidade prisional”, disse.

Para o diretor da unidade, o curso gera novas oportunidades de qualificação e de entrada no mercado de trabalho, ampliando as chances para os reeducandos pleitearem empregos após o cumprimento da pena. “A maioria deles não tem formação básica e também condição financeira para custear a formação. Com a qualificação, eles ganham remição da pena pelo trabalho e adquirem conhecimento, além de retornar a sociedade com uma profissão, aumentando as chances de recomeçar a vida lá fora”, expôs Gutembergi.

Já o reeducando, G.D.F., 56 anos, teve seu primeiro contato com a pintura através do curso. “Foi muito bom fazer o curso, é uma profissão que a gente aprende e mais um meio de trabalho. Pretendo investir na área e ampliar minha empresa, pois este é um trabalho muito bom”, disse.

Parte do material necessário para a pintura estava incluso como recurso material para execução da capacitação, no entanto, não seriam suficientes para finalizar o trabalho. Então, a gestão da unidade prisional mobilizou doações com o comércio local e a comunidade, recebendo também doações do Defensor Público que atende o estabelecimento penal.

Compartilhe esta notícia