Geral 07/06/2019 - 17:10 - Vitória Soares/ Governo do Tocantins

Rede de Atenção Psicossocial do Sistema Prisional é pauta de reunião entre Cidadania e Justiça e Defensoria Pública

Reunião envolveu gestores da Seciju e da Defensoria Pública do Estado Reunião envolveu gestores da Seciju e da Defensoria Pública do Estado - Vitória Soares/ Governo do Tocantins

Nesta sexta-feira, 7, representantes da Secretaria de Estado da Cidadania e Justiça (Seciju) e da Defensoria Pública do Estado do Tocantins (DPE-TO) estiveram reunidos para discutir medidas que fomentem o acesso e acompanhamento à saúde mental para pessoas privadas de liberdade no Estado. Realizada na sede da Seciju, a reunião teve objetivo de ampliar a discussão sobre a saúde mental no sistema prisional e propor articulações acerca da Rede de Atenção Psicossocial (RAPS). 

Durante a reunião, foram discutidas articulações para facilitar o atendimento aos reeducandos, além da proposta de criação de uma Ala Psiquiátrica no Sistema Penitenciário e Prisional do Tocantins (Sispen/TO), com intuito de prestar assistência ainda mais efetiva para pessoas privada de liberdade que necessitam de acompanhamento especializado. A ideia é que novos caminhos para assistência psicossocial sejam efetivados e que o atendimento ocorra de acordo com a Política Nacional de Saúde Mental.

O secretário executivo da Seciju, Geraldo Cabral, explica que diversas articulações estão sendo realizadas para a melhoria do atendimento aos reeducandos. “A Secretaria de Cidadania e Justiça tem uma grande preocupação em oferecer atendimento apropriado aos reeducandos com transtorno mental, principalmente aqueles que são sentenciados a medida de segurança, porém, ainda não há um local apropriado o atendimento dessa demanda. Diante disso, temos feito gestão diariamente para a construção de um local adequado a essa camada social”, ressaltou. 

A gerente de Assistência Educacional e Saúde ao Preso e Egresso, Marluce de Oliveira, ressalta que prestar atendimento adequado à pessoa privada de liberdade é o objetivo da Seciju. “Os reeducandos que sofrem com algum tipo de transtorno mental são duplamente estigmatizados, por estarem encarcerados e por terem transtorno mental, nosso objetivo é viabilizar o acesso à Rede de Assistência Psicossocial (RAPS) e prestar todos os atendimentos de forma adequada”, afirmou.  

Para a gerente, a reunião viabilizou encaminhamentos essenciais em relação aos protocolos dos reeducandos. “Tivemos importantes encaminhamentos a partir da reunião, principalmente em relação às medidas de segurança, como traçar um plano terapêutico para pessoas que estão com medidas de segurança e requerer o exame de cessação de periculosidade”, concluiu.

A defensora pública e coordenadora do Núcleo Especializado de Defesa do Preso (Nadep), Napociani Póvoa, acredita que a proximidade entre a Seciju e a Defensoria tem grande valia para o avanço das políticas ligadas a saúde mental no Sistema Prisional. “Para avançar na questão do cuidado a saúde mental é necessário o envolvimento com várias frentes, sendo essencial essa proximidade com a Seciju, para tratarmos de forma individualizada tanto as pessoas que já estão recolhidas no Sistema Prisional do estado do Tocantins, como em políticas futuras para amenizar os danos”, relatou.

Compartilhe esta notícia