Geral 12/04/2019 - 12:10 - Willian Borges – Governo do Tocantins

Rádio "Som da Liberdade" mantém programação educativa que auxilia ressocialização de internos do Barra da Grota

Todo o conteúdo produzido na rádio é analisado pela direção da unidade antes de ser veiculado Todo o conteúdo produzido na rádio é analisado pela direção da unidade antes de ser veiculado - Seciju/Governo do Tocantins

Permitir que a informação do que acontece fora do cárcere chegue até as pessoas que estão em restrição de liberdade, com conteúdo educativo, cívico, cultural, sobre saúde e religioso de forma controlada é o que a Secretaria de Estado da Cidadania e Justiça (Seciju) realiza por meio da rádio “Som da Liberdade”, na Unidade de Tratamento Penal Barra da Grota (UTPBG), em Araguaína.

O diretor da unidade, Guilherme Martins, explica que a programação da rádio é montada com a participação dos reeducandos que entregam bilhetes aos agentes informando o que gostariam de ouvir ou saber mais. A rádio também é utilizada para repassar informes sobre as regras e regimento da unidade, informações sobre saúde e alterações na rotina prisional.

 “Criamos a rádio para proporcionar aos reeducandos acesso às mensagens de perseverança, respeito, direitos, deveres e práticas que favorecem uma boa saúde, sem esquecer de ao mesmo tempo entreter os apenados e consequentemente diminuir o estresse”, descreveu Martins.

O reeducando G. B., que trabalha como operador e locutor na rádio há 10 meses, conta que a iniciativa de montar uma rádio interna para a Unidade Penal trouxe bons resultados para si e para os outros apenados. “Cumpro pena aqui há cinco anos e percebi grandes mudanças após a implementação dessa rádio, principalmente no clima, tudo ficou mais calmo”, declarou.

Para exercer a função de radialista na Unidade Penal, G. B. recebe um salário mínimo de remuneração mensal para exercer, além de ganhar remissão de pena; para cada três dias trabalhado, um dia é reduzido do total de sua pena.

 A rádio

A programação musical da rádio “Som da Liberdade” é produzida com a participação dos internos e organizada pelo reeducando que trabalha como radialista. Por questões de segurança operacional, todo o conteúdo produzido é analisado pela direção da unidade antes de ser veiculado. A grade da programação conta com programas apresentados por profissionais da saúde, líderes religiosos e pessoas do ramo do direito.

 

Compartilhe esta notícia