Geral 09/03/2018 - 15:38 - Jaqueline Moraes – Governo do Tocantins

Horta da CPP de Palmas é reinaugurada com uso de técnicas sustentáveis de cultivo

Secretário da Seciju, Coronel Glauber, planta muda de alface no canteiro inaugural da horta Secretário da Seciju, Coronel Glauber, planta muda de alface no canteiro inaugural da horta - Jaqueline Moraes – Governo do Tocantins
Hortaliças, frutas e legumes serão produzidos e consumidos pelos reeducandos Hortaliças, frutas e legumes serão produzidos e consumidos pelos reeducandos - Jaqueline Moraes

A manhã desta sexta-feira, 09, foi marcada por uma nova etapa do projeto Plantando a Liberdade na Casa de Prisão Provisória de Palmas (CPPP). A partir de hoje, a área de plantação da horta da unidade prisional ocupa dois mil metros quadrados e ampliará o acesso dos reeducandos à formação, profissionalização, subsistência e, principalmente, à ressocialização. O projeto Plantando a Liberdade é uma parceria da Secretaria de Estado da Cidadania e Justiça (Seciju), as empresas terceirizadas Embrasil Serviços e Total Alimentação e 4ª Vara de Execução Penal de Palmas.

Na solenidade de reinauguração do projeto, o gestor da Seciju, Coronel Glauber de Oliveira, parabenizou o empenho dos servidores e dos parceiros em gerir projetos com viés para o resgate social. “São os projetos que focam na ressocialização, no transcurso de cumprimento da pena, que auxiliam de forma direta na reinserção social do cidadão que infringiu a lei, e diminuem muito o número de reincidência no Sistema Prisional”, declarou após fazer o plantio de uma muda de alface no canteiro inaugural da horta.

O secretário ainda informou aos presentes sobre as melhorias que estão sendo realizadas no Sistema Penitenciário, como a construção do novo pavilhão na CPP de Palmas, cujo canteiro de obras já está instalado. “Investir no melhoramento e na organização das instalações físicas para servidores e os reeducandos é uma prioridade do Governo do Tocantins. Então, estão previstas a inauguração da Escola Superior de Gestão Penitenciária (Esgespen) e do Centro de Atendimento Multidisciplinar (CAM), nessa perspectiva, atendendo aos nossos servidores”, finalizou.

Horta

Couve, alface, coentro, cheiro verde, salsinha, pimenta, melancia e jiló vão ser os carros chefe da produção dos reeducandos da CPPP, que terão o plantio comprado pela Total Alimentação, responsável pelas refeições da unidade prisional. “Já arcamos com os custos iniciais da horta e compraremos a produção com 50% do valor de mercado, e continuaremos investindo nos insumos”, explicou a gerente e nutricionista da empresa Mariana Gualberto. O detento envolvido no projeto receberá uma remuneração mensal de ¾ do salário mínimo e a remição de um dia de pena a cada três dias trabalhados.

Gotejamento

Quanto à irrigação da plantação, será feita de forma artificial pela técnica do gotejamento, e por meio de cisternas utilizará água aproveitada das chuvas e dos ares-condicionados do prédio. Outra vantagem da nova horta é a produção orgânica, livre de agrotóxicos, como explica o gerente de Execução Penal da Embrasil Serviços, Alexandre Calixto. “Esse projeto está sendo tratado de forma muito especial, pois vamos qualificar e capacitar os reeducandos com o viés ambiental da nossa produção, que é oferecer para eles mesmos produtos orgânicos de qualidade”, pontuou Calixto.

O cogestor da unidade também informou que serão ofertados aos reeducandos cursos de produção de viveiros, hortaliças e legumes, ministrados e certificados pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar).

Resgate Social

Na concepção da ressocialização, a mãe de um detento se emocionou durante o lançamento do projeto. “Pra gente que é mãe, não é fácil ver o filho nessa condição, mas saber que existem projetos e pessoas empenhadas em mudar essa realidade faz a gente se alegrar, pois pode ocupar a mente deles e é uma oportunidade de se profissionalizar”, declarou a mãe F.L.P.

O reeducando P.P.S é pintor e desenvolve seu trabalho auxiliando na pintura de paredes e outras demandas da CPPP. Próximo à finalização da pena, o detento falou sobre a importância e a expectativa de retorno a sociedade. “Conclui o Ensino Médio já dentro do sistema [Prisional]. Aaqui também me profissionalizei nos cursos NR 18 e NR 35 [Construção Civil e Segurança na Construção Civil, respectivamente], e agora com a horta vou ter conhecimento sobre plantação, adubo, manejo da terra”, explicou o reeducando, acrescentando que espera ser reintegrado. “Peço a Deus por isso. Estou apto para viver novamente em sociedade”, garantiu.

Compartilhe esta notícia