Geral 03/08/2017 - 18:00 - Ascom/Cidadania e Justiça

Adolescentes das unidades socioeducativas do Tocantins voltam às aulas

Adolescentes que cumprem medidas retornam às aulas em todo o Estado. Adolescentes que cumprem medidas retornam às aulas em todo o Estado. - Elâine Jardim/Governo do Tocantins
Ao todo, são 94 alunos entre jovens e adolescentes. Ao todo, são 94 alunos entre jovens e adolescentes. - Elâine Jardim/Governo do Tocantins
A agricultura é um diferencial nas unidades socioeducativas do Estado. A agricultura é um diferencial nas unidades socioeducativas do Estado. - Elâine Jardim/Governo do Tocantins

Nas unidades socioeducativas do Tocantins, vinculadas à Secretaria de Estado da Cidadania e Justiça (Seciju), 94 adolescentes e jovens, com idade entre 12 e 19 anos, retornaram às aulas desde o dia 1º de agosto. Os alunos estão matriculados do 1º ano do Ensino Fundamental à 3ª série do Ensino Médio no Centro de Atendimento Socioeducativo (Case de Palmas), no Centro de Internação Provisória de Palmas (Ceip Central), no Centro de Internação Provisória de Gurupi (Ceip Sul) e no Centro de Internação Provisória de Santa Fé do Araguaia (Ceip Norte) e também nas Casas de Semiliberdade.

A professora de História do Sistema Socioeducativo do Tocantins, Rosa Maria Peres, espera bons frutos do novo semestre. “A minha perspectiva é que eles tenham vários avanços em todas as disciplinas. Espero que eles questionem, pesquisem e utilizem a biblioteca. Também espero que eles tenham perspectiva de futuro, pois estamos aqui à disposição de cada um”, ressaltou.

Durante o contraturno escolar eles realizam atividades profissionalizantes, de lazer , recreação e de espiritualidade, como cursos de informática, aulas de violão, cultos religiosos, aulas de teatro, artesanato, serigrafia, torneios de futsal, natação, sessões de cinema, manejo de hortas, entre outras ações previstas no Sistema Nacional de Sistema Socioeducativo (Sinase).

Palmas

Na Capital, a Escola Estadual Mundo Sócio do Saber, localizada dentro do Centro de Atendimento Socioeducativo (Case de Palmas), está atendendo estudantes, entre 14 e 18 anos, do 3º ano do Ensino Fundamental à 3ª série do Ensino Médio. Estudando na mesma escola, mas oriundos do Centro de Internação Provisória de Palmas (Ceip Central) são, atualmente, 17 alunos entre 14 e 19 anos, sendo 15 meninos e duas meninas, do 4º ano à 3ª série.

Um dos adolescentes que cumprem medidas no Case estava ansioso pela volta às aulas. “Estou feliz que as aulas voltaram. Agora posso estudar. Descansei muito no mês de julho. Vou ver se consigo fazer algum curso para arrumar um emprego e passar em alguma faculdade. Quero ser advogado”, afirmou.

Gurupi

O Centro de Internação Provisória de Gurupi (Ceip Sul) possui 27 alunos matriculados do 3º ano do Ensino Fundamental ao 1ª série do Ensino Médio, com idades entre 13 e 20 anos. As aulas são disponibilizadas por meio de uma extensão da Escola Estadual Dr. Waldir Lins. Durante o período que os jovens e adolescentes não estão nas aulas, eles realizam atividades esportivas, de lazer e de espiritualidade, além de cursos profissionalizantes.

Santa Fé do Araguaia

É na cidade de Santa Fé do Araguaia, no extremo norte do estado, a cerca de 470 quilômetros de Palmas, onde está localizado Centro de Internação Provisória de Santa Fé do Araguaia (Ceip Norte), que atende 17 alunos matriculados do 5º ao 8º Ano do Ensino Fundamental. As aulas são ofertadas por meio de uma extensão da Escola Estadual Castro Alves. Neste segundo semestre está previsto que os socioeducandos realizem cursos de informática, inclusão digital e horta básica.

“A escolarização tem um papel importante para a formação intelectual, ideológica, moral e ética dos nossos adolescentes, uma vez que a medida socioeducativa é completamente pedagógica. Isso possibilita educar os adolescentes para a sociedade e chamar a responsabilidade da própria sociedade para a inclusão deles em seu meio como um sujeito de direito” enfatiza a diretoria de Proteção da Criança e do Adolescente da Secretaria de Estado da Cidadania e Justiça (Seciju), Naysângela Tenório.

Casas de Semiliberdade

Nas quatro Casas de Semiliberdade do estado, 22 adolescentes têm acesso à educação formal. Na Semiliberdade Masculina (USL), em Palmas, estudam três alunos, de 14 a 17 anos, cursando entre 6º ano do Ensino Fundamental e a 1ª série do Ensino Médio. Já na Semiliberdade Feminina (USL), também em Palmas, há uma socioeducanda de 17 anos que está estudando o 8º ano do Ensino Fundamental. Em Gurupi, ao Sul do Estado, a USL possui, hoje, quatro alunos entre 16 e 17 anos, que estudam do 1º ao 7º Ano.

Na USL de Araguaína são 14 socioeducandos estudantes entre 12 e 18 anos, do 6º ao 9º ano. No contraturno escolar, os adolescentes ainda possuem atividades extracurriculares, como cursos à distância de Design Automotivo, Web Design e Empreendedorismo.

Horta como um diferencial

Algumas das unidades socioeducativas do Estado tem apostado na agricultura como uma atividade terapêutica, recreativa e profissionalizante para os adolescentes. O Case e a USL Masculina de Palmas, por exemplo, proporcionam o cultivo hortaliças e árvores frutíferas dentro da própria unidade. Segundo o coordenador do Case, Eduardo Tavares, a produção rendeu, tanto que os alimentos são destinados à cozinha de todas as unidades socioeducativas de Palmas.

Outro adolescente que cumpre medida no Case destacou que pode aprender muito com o cultivo. “Aprendi a plantar tudo que tem aqui e também a manejar a terra. A horta me dá tranqüilidade e representa liberdade. Fico mais tempo fora do alojamento. O cara pode plantar o alimento que ele mesmo vai comer. Também é uma oportunidade boa de se profissionalizar”, afirmou.

Compartilhe esta notícia